Guia do Peregrino

Recomendações e Sugestões

O Caminho a pé (programação Itinerária da Peregrinação)

dutch
Mesmo que programe fazer a Peregrinação com o apoio de bibliografia itinerária deve, no ato de programação, reunir o máximo de informação (relevo, distância, locais para alimentação e alojamento) sobre o itinerário a percorrer de forma a reduzir a probabilidade de ocorrência de “surpresas”. Sugerimos as seguintes precauções:

- Programar as etapas em face da capacidade física e
época do ano;
- Conhecer antecipadamente as dificuldades e pontos de apoio de cada etapa a percorrer;
- Procurar as Delegações da AEJ de Amarante, Barcelos, Braga, Faro, Fátima, Felgueiras, Guimarães, Lisboa, Oliveira de Azeméis, Ponta Delgada / Açores, Porto, Vila do Conde e/ou Vila Verde para recolher experiências de Peregrinação, obter Informação e esclarecer dúvidas.

O Caminho a pé (antes de partir)

dutchAntes de começar a sua Peregrinação é recomendável consultar o seu médico.
Depois, deverá realizar, também, algumas caminhadas, percorrendo distâncias cada vez maiores, em dias sucessivos.
A roupa e o calçado para o Caminho devem ser folgados e devem ajudar a transpirar para evitar o roçar frequente que provoca dermatite pelo contacto, sobretudo na parte interna dos músculos. Logicamente, a roupa terá que ser adaptada à climatologia da época em que se realiza a Peregrinação.

dutch

O calçado é fundamental. Deverá ser em bota que proteja o tornozelo, pois os caminhos são irregulares, podendo produzir-se entorses que podem obrigar a suspender a caminhada. A bota deve ser alta, impermeável e deve ajudar à transpiração para evitar a sudação do pé, que pode ocasionar bolhas e micoses. No entanto, em dias de calor, poderá optar-se por sapatilhas (com piso em gel), por serem mais frescas e leves. As meias deverão ser de algodão, sem costuras. É necessário incluir-se um estojo com ligaduras (tornozelos), gases e pensos rápidos (por exemplo, Compeed), anti-sépticos e desinfectantes para as bolhas (agulha e linha), micóticos para tratar as micoses (fungos) e um anti-inflamatório.

O Caminho a pé (equipamento)

dutchAinda que o material que cada Peregrino deva ter em conta para a sua Peregrinação seja resultado da sua escolha pessoal, sugerimos uma lista de roupas e objetos que normalmente costumam ser imprescindíveis (colocar na mochila dentro de sacos plásticos, para evitar molhar em caso de chuva):
- Documentos de Identificação Pessoal
- Cartão de Saúde Europeu
(http://www.seg-social.pt/pedido-cartao-europeu-seguro-doenca)
- Calçado apropriado (botas e sapatilhas)
- Impermeável (incluindo para a mochila)
- Camisas / camisola / casaco / calções / calças
- Bordão
- Chapéu ou boné
- Roupa interior

dutch

- Vários pares de meias
- Proteções para tornozelos e joelhos
- Cantil
- Saco-cama (almofada insuflável)
- Saco de higiene pessoal
- Protetor solar
- Corta-unhas, navalha
- Molas, alfinetes de dama
- Toalha, sabão e chinelos de banho (touca, para
as mulheres)
- Estojo de primeiros socorros
- Lanterna
- Guia, livros de apoio, mapas, bloco de notas
- Óculos de sol, máquina fotográfica

O Caminho a pé (a mochila)

 

O Caminho de bicicleta (antes de partir)

dutch

 

 

Antes de partir deverá atender à preparação da bicicleta, à forma física, à alimentação, à planificação do trajeto, ao estudo básico da rota e à bagagem. Os Peregrinos habituados à atividade de ciclismo deverão adaptar-se, antes da partida, ao manejo da bicicleta por trajetos difíceis e com os alforges carregados. Contudo, os “não praticantes” deverão realizar uma preparação lenta e contínua de adaptação à bicicleta e aos trajetos por caminhos e zonas de piso irregular. Deve começar-se a preparação um mês antes e treinar diariamente, aumentando gradualmente as distâncias e adaptando-se, na última semana, à condução com alforges cheios. É fundamental não deixar nada por experimentar antes de partir e dispor de conhecimentos básicos da mecânica da bicicleta.

O Caminho de bicicleta (a bicicleta)

dutch

O equipamento básico de qualquer bicicleta de montanha é normalmente suficiente
para enfrentar o Caminho de Santiago. No entanto, poderá acrescentar à bicicleta
alforges (e plástico para os cobrir em caso de chuva), estojo de ferramentas, câmara
de ar suplente, bolsa acessível para guardar informações sobre o itinerário e,
eventualmente, velocímetro e/ou GPS.

Benção do Peregrino (à partida)

dutch

Deus Pai Todo-Poderoso, misericordioso para com aqueles que vos amam e que nunca estais longe daqueles que vos procuram, acompanhai estes peregrinos que vão fazer o caminho de Santiago.
Dirigi os seus passos segundo a vossa vontade. Que durante o dia sejam protegidos com a vossa sombra protetora, e que de noite sejam iluminados pela vossa graça, para que, acompanhados por vós, possam chegar a prostrar-se junto ao túmulo do Apóstolo Tiago. Por Nosso Senhor Jesus Cristo...
- O Senhor dirija o vosso caminho e o faça próspero. Amén
- O Senhor vos assista e se digne ser vosso companheiro. Amén.
- Que o caminho de Santiago, que agora confiadamente começais, chegue a bom termo com a ajuda de Deus e do Apóstolo Tiago. Amén.

E a vós todos, aqui presentes, abençoe-vos Deus Todo-Poderoso, Pai, Filho e Espírito Santo.

Sinalização do Caminho de Santiago

O Caminho a pé (dificuldades do Caminho)

dutch

 

Nos casos de esgotamento devido ao calor, há que localizar-se num sítio fresco e ingerir bastantes líquidos (num litro de água, dissolver meia colher de bicarbonato e uma de sal). Se sentir cãibras fortes, deve-se aumentar o sal. As bolhas e feridas nos pés devem-se a meias mal colocadas ou inadequadas, unhas compridas, calçado mal ajustado (ou novo), costuras, remates interiores ou deformidades do calçado. As dores musculares têm as suas causas mais frequentes na falta de treino, esforços excessivos, mudanças bruscas de ritmo ou paragens em lugares húmidos.

O Caminho a pé (dificuldades: as bolhas...)

dutch

 

O estado dos nossos pés é a “chave”para podermos suportar vários dias de caminhada. Por vezes a dificuldade é acrescida quando se tem de calcorrear sobre asfalto. Ainda que existam muitos remédios e pequenos “truques”, os seus resultados dependerão sempre do Peregrino, do seu hábito de andar e da sua própria natureza e morfologia. Para o “bem-estar dos pés”, podemos dividir os cuidados em: antes, durante e após caminhada.

O Caminho a pé (dificuldades: as bolhas...) - Antes da etapa

Algumas sugestões:
Cortar e limar as unhas, ajustando-as o mais possível ao final do dedo; não molhar os pés antes e durante a caminhada (contudo, se o fizer, utilize água fria e seque-os bem antes de calçar as meias); untar bem os pés com vaselina líquida (ou “nívea” lata azul; ou Vicks Vaporub), na planta e peito do pé (evitar colocar entre os dedos) - desta forma manterá o pé bem hidratado e evitará que este transpire em demasia e o suor se concentre em áreas sensíveis dos pés; escolher umas meias de algodão (ou em cuja composição o algodão seja maioritário), preferencialmente sem costuras (caso tenha costuras, calce-as do avesso, de forma a que a costura fique voltada para a bota/sapatilha); calçar, em primeiro lugar, uma meia de vidro e depois as meias mais grossas; nunca estrear meias ou calçado novo no Caminho (utilizar somente após um período razoável de treino com ambos; levar sempre na mochila pensos de silicone.

O Caminho a pé (dificuldades: as bolhas...) - Durante a Etapa

Algumas sugestões:
dutch

Não apertar os atacadores em demasia (ter especial cuidado com a posição das meias e da “língua” das botas/sapatilhas); é normal, sobretudo com o tempo quente, que os pés inchem ao fim de alguns quilómetros (por isso o calçado não deverá, especialmente no Verão, ser demasiado justo ao pé); devemos parar com frequência e se necessário retirar o calçado, deixar aliviar a pressão causada pelo inchaço, secar os pés, meias e botas (se necessário trocar de meias; nunca molhar os pés – se, porventura, estes se molharem, se possível, deveremos trocar de meias e calçado.

O Caminho a pé (dificuldades: as bolhas...) - Depois da Etapa

Algumas sugestões:
Lavar os pés com água fria e voltar a aplicar um creme hidratante (caso verifique a ocorrência de pontos avermelhados, devido à fricção, devemos arrefecer principalmente essa zona e aplicar hidratante com maior abundância; caso verifique a existência de ferida, aplicar antisséptico e deixar arejar; nunca colocar gaze, ou outro tecido a tapar as feridas); nunca rebentar as bolhas que entretanto surjam (o ideal será colocar os pensos de silicone sobre elas, ou furar com uma agulha desinfetada com um fio, vazando a bolha com cuidado – cortar e deixar o fio para que este sirva de dreno; limpar interiormente o calçado utilizado durante a caminhada e coloca-lo a secar; utilizar, depois, um calçado largo e arejado (por exemplo, sandálias); as sandálias também são uteis para usar no duche dos albergues, já que previne a ocorrência de micoses (caso aconteçam devem ser logo que possível tratadas com antimicóticos).

O Caminho a pé (no Caminho)

dutchNos dias de maior calor, deve proteger-se a cabeça e restante corpo para se evitar insolações, de modo a evitar os efeitos nocivos do sol. Quando o Caminho coincida com estradas, circular sempre pela berma do lado esquerdo, evitando caminhar em grupos. Cuidar a limpeza dos Albergues procurando ser sempre respeitoso e amável com a população local. Valorizar e apreciar o esforço, muitas vezes abnegado, dos Hospitaleiros (na maior parte, voluntários). Siga apenas a sinalização do Caminho; evite barulhos e atitudes que perturbe a Comunidade Local; respeite tradições e costumes locais; nunca abandonar lixo no Caminho; respeite a propriedade privada; não faça lume; tenha o máximo cuidado com dias de nevoeiro e intempérie; procure sempre esclarecer as suas dúvidas recorrendo aos Pontos de Apoio e habitantes locais.

O Caminho não é uma "corrida"!

Não passes pelo Caminho... deixa antes que o Caminho passe por Ti!

Albergues de Peregrinos (Regras Gerais)

Os diversos itinerários do Caminho de Santiago dispõem de uma Rede de Albergues para apoio aos Peregrinos. Os Albergues de Peregrinos regem-se, na maioria dos casos, por normas e regulamentos comuns:
- Os peregrinos que fazem o caminho a pé ou com limitações físicas têm prioridade de ocupação dos lugares (depois a cavalo, de bicicleta e os que circulam com veículo de apoio);
- Os lugares são ocupados por ordem de chegada, não havendo possibilidade de reserva prévia;
- A utilização dos Albergues tem um custo simbólico: 5€ / 6 € ou donativo voluntário (NOTA: donativo voluntário NÃO significa que é de utilização gratuita; o donativo é essencial para a manutenção dos Albergues);
- A estadia é de uma só noite, salvo em caso de doença ou força maior.
-Os Albergues de Peregrinos possuem horários de funcionamento (nomeadamente, horário de abertura, de silêncio e de alvorada) que deverão ser respeitados para o bem comum de todos os Peregrinos;
- Não se admitem animais, salvo cães de acompanhamento de invisuais;
- Os Peregrinos deverão cuidar das instalações com a devida diligência, deixando-as arrumadas e limpas. Do mesmo modo, deverão utilizar, com moderação, a água e a luz elétrica;
- Os Albergues de Peregrinos dispõem, normalmente, de camas em dormitórios mistos, instalações sanitárias, cozinha e lavandaria simples. Os Albergues de Peregrinos NÃO dispõem de roupa de cama nem toalhas.

Num Albergue de Peregrinos...

...o turista exige, o Peregrino agradece!

Ritos e costumes do Peregrino (à Chegada) – O “Abraço”... Todos os dias: 9:30h às 13:30h / 16:00h às 19:30h Ritos e costumes do Peregrino (à Chegada) – O “Abraço”... Todos os dias: 9:30h às 13:30h

dutch
A tradicional subida à camara, sobre a cripta,onde uma estátua de Santiago é a destinatária dos emotivos abraços e orações dos Peregrinos desde a consagração da catedral (1211).

Ritos e costumes do Peregrino (à Chegada) – o Túmulo Todos os dias: 7:00h às 20:30h Ritos e costumes do Peregrino (à Chegada) – o Túmulo Todos os dias: 7:00h às 20:30h

dutch
Uma referência iniludível para o Peregrinojacobeu é a visita à cripta da Catedral Compostelana, onde se localiza o sepulcro de
Santiago e seus discípulos Atanásio e Teodoro. O lugar foi preparado no século XIX. As relíquias repousam numa urna de prata com o monograma de Cristo (Crismon) na tampa.

Ritos e costumes do Peregrino (à Chegada) – a Compostela

dutch

Antes de partir, quantos vão realizar o Caminho de Santiago deverão decidir se desejam obter a Compostela, diploma comprovativo da Peregrinação a Santiago que concede a Catedral Compostelana, através da Oficina do Peregrino. A Compostela é concedida aos Peregrinos que realizam o Caminho a pé (pelo menos 100km), a cavalo (100km) ou de bicicleta (200km), e por motivos religiosos. A certificação do trajeto percorrido na Oficina do Peregrino efetua-se com a Credencial do Peregrino, na qual deverão constar os carimbos ou assinaturas das paróquias, albergues e/ou refúgios por onde se realizou a Peregrinação (pelo menos dois por dia).

Horário das Missas na Catedral de Santiago / Botafumeiro (http://www.catedraldesantiago.es)

dutch
O Botafumeiro (“incensário”, em galego) é um dos símbolos mais famosos e populares da Catedral de Santiago de Compostela. É um incensário de grandes dimensões (53 kg e 1.50 metros de altura) que se move na cúpula central da Catedral. O Botafumeiro usa-se por motivos litúrgicos, da mesma forma que um sacerdote utiliza um incensário no altar. O Botafumeiro pode-se ver em dias especiais de celebração eucarística ou quando seja solicitado à Catedral.

Missa do Peregrino:
todos os dias, às 12h00 e 19h30 (horário local)

Faça o download do Guia do Peregrino

Tenha-o à mão no seu telemóvel durante o Caminho